UFRJ inaugura o Lobo Cordeiro, supercomputador com 226 teraflops de processamento

UFRJ inaugura o Lobo Cordeiro, supercomputador com 226 teraflops de processamento

Compartilhar

Após aquele grande vexame do supercomputador Santos Dumont, ter sido desligado por falta de dinheiro para pagar a conta de luz, temos uma grande novidade: a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) inaugurou em conjunto com o Instituto de Pesquisa Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (COPPE)  o supercomputador brasileiros mais potente já instalado em uma universidade federal , com capacidade de processamento de 226 teraflops, intitulado Lobo Cordeiro.

O Lobo Cordeiro que custou R$ 10 milhões, conta com 6.072 núcleos, divididos em 232 nós de processamento e aceleradores GPGPU Intel XEON, 16 terabytes de RAM e 720 terabytes de armazenamento paralelo com velocidade de 17 GB/s. Graças a sua capacidade de 226 teraflops o supercomputador consegue executar 226 trilhões de operações matemáticas por segundo. 

Os recursos para a construção desse supercomputador partiram da exploração, desenvolvimento e produção de petróleo ou gás natural, geridos pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP)

A COPPE diz que o Lobo Cordeiro consome dois terços a menos de energia do que o supercomputador Santos Dumont. No entanto é bom frisar que o Santos Dumont tinha uma capacidade de processamento bem maior, na casa dos 1,1 petaflofs.

“A relação capacidade computacional e eficiência energética do Lobo Carneiro é muito boa. O sistema foi concebido para preservar ao máximo a vida útil do equipamento e a operação pode ser feita remotamente, de forma segura, com autocontrole e redundância. Esse modelo de sistema de engenharia não tem precedentes no país”, afirmou o professor Guilherme Travassos, do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação da Coppe.

Guilherme Travassos diz que a  capacidade do Lobo Cordeiro pode ser utilizado na previsão de desastre naturais, circulação de correntes na Baía de Guanabara, simulando a direção que está sendo tomada por manchas de óleo em decorrência da acidentes de diferentes perfis, e vazamentos em decorrência de acidentes em plataformas ou navios petroleiros”.

Fonte: Hardware.com.br