Intel garante que processadores Cannonlake serão lançados ainda em 2017

Intel garante que processadores Cannonlake serão lançados ainda em 2017

Compartilhar

A Intel se atrapalhou toda para manter o desenvolvimento de seus processadores, ao não conseguir entregar a tempo a nova geração de processadores com um novo processo de litografia. A linha Cannonlake, que deveria ser o “tick” ainda não deu as caras e por causa disso a companhia teve que rever todo o seu processo, mudando o ciclo de dois para três anos e introduzindo a família de processadores dentro do novo processo de otimização, a linha Coffee Lake.

Contando com a linha Broadwell introduzida em 2014, de processadores de alta performance a Intel manteve a arquitetura atual por quatro gerações, muito longe do ideal e as perspectivas é de que a situação só pioraria, com os novos Cannonlake só dando as caras no fim de 2018 segundo fontes próximas. Enquanto a Intel não consegue trabalhar com 10 nanômetros, concorrentes como IBM e Samsung se gabam por já terem atingido o limiar de cinco nanômetros; ainda que tais soluções ainda não tenham saído dos laboratórios é fato que a Intel está apanhando em seu próprio jogo, enquanto não consegue escalar a linha Cannonlake e não consegue atingir o limiar de sete nanômetros para as próximas gerações, coisa que só a IBM conseguiu até agora e pretende liberar a tecnologia para suas parceiras comerciais (Samsung, Qualcomm e AMD) já em 2018.

Sendo assim o CEO Brian Krzanich, através do último relatório financeiro da Intel procurou tranquilizar os consumidores e investidores, reafirmando o compromisso assumido de lançar os primeiros modelos dos processadores Cannonlake até o fim de 2017, mas foi sincero: num primeiro momento a oferta será limitada e todas as versões inicialmente serão destinadas a dispositivos móveis, sendo todos eles despachados diretamente para a OEMs os acondicionarem em laptops e outros aparelhos do tipo; a decisão foi tomada principalmente por tais chips se posicionarem num limiar entre desempenho e autonomia aceitáveis, e por isso mesmo são mais simples de serem produzidos.

A produção em larga escala terá início no primeiro semestre de 2018 e só então a Intel introduzirá os processadores para desktops e workstations, a partir da segunda metade do ano que vem. Ainda que a oferta inicial dos chips Cannonlake seja bastante limitada, a ideia é que os primeiros laptops cheguem às lojas com a nova geração de processadores ainda durante o primeiro semestre. Tais chips, como a Intel já afirmou anteriormente ficariam “ao menos uma geração à frente da concorrência” graças ao Hyper Scaling, uma técnica proprietária que permite a inserção do dobro de transístores contidos na atual geração; dessa forma a linha Cannonlake teria um desempenho teórico 25% maior que os chips Kaby Lake e consumiria 45% menos energia.

A Intel insiste que apesar de chegar atrasada na festa seus processadores são superiores aos dos concorrentes, pois ela tem se focado não apenas na redução do espaço entre os transístores como também em dobrar sua quantidade nos chips, o que ela usa como argumento para se destacar de outras fabricantes que já trabalham com 10 nanômetros como Qualcomm e Samsung. De qualquer forma, se tudo correr bem saberemos se a companhia está blefando ou não muito em breve.

Fonte: Digital Trends.